Moçambique regista mais um óbito e 341 recuperados da COVID-19

O Ministério da Saúde (MISAU) anunciou esta quinta-feira, 01 de Outubro, mais um óbito em paciente infectado pelo novo Coronavírus na Cidade de Maputo, o que eleva para 62 o total de vítimas mortais.

Trata-se de um paciente de 70 anos de idade, sexo masculino, nacionalidade moçambicana, que veio a perder a vida após o agravamento do seu estado clínico, durante o período de internamento em uma unidade hospitalar na capital do país.

Segundo explicou o director Nacional de Inquéritos e Observação de Saúde no Instituto Nacional de Saúde (INS), Sérgio Chicumbe, o caso foi notificado no dia 12 de Setembro e o óbito declarado no dia 1 de Outubro.

A informação foi avançada durante a conferência de imprensa de actualização de casos da COVID-19 pelo director Nacional para a área de Inquéritos no Instituto Nacional de Saúde (INS), Sérgio Chicumbe.

O responsável indicou que nas últimas 24 horas mais 341 pessoas recuperaram da COVID-19, perfazendo 5.573 o total de indivíduos livres da doença.

Chicumbe avançou que foram notificados mais 160 casos positivos de infecção pelo novo Coronavírus, elevando o total para 8.888 casos desde a eclosão da pandemia no país. Destes, 8.593 casos são de transmissão local e 295 são importados.

A Cidade de Maputo registou o maior número de casos (110), correspondendo a 68.75% do total dos casos reportados hoje em todo país, seguida pela Província de Maputo, com 26 casos (16.25%).

Neste momento, no país, 51 indivíduos encontram-se nos Centros de Internamento de COVID-19 e em outras Unidades Hospitalares Privadas.

Refira-se que até o momento, existe um cumulativo de 2.394.804 pessoas rastreadas para a COVID-19 nos diferentes pontos de entrada. Destas, 41.666 foram submetidas à quarentena domiciliar. Neste momento, 5.215 pessoas observam ainda a quarentena domiciliária e 2.366 contactos de casos positivos estão em seguimento.

One thought on “Moçambique regista mais um óbito e 341 recuperados da COVID-19

  1. Ha muitos onternados temos que reforçar medidas basicas de prevençao ao invez de relaxar. A policia deve entrar em acçao para lograr o efeito desejado

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *