Moçambique sem novos casos de COVID-19 nas últimas 48 horas

O país mantém um cumulativo de 76 casos positivos confirmados de infecção pelo novo coronavírus, passadas 48 horas desde que se anunciou a notificação dos últimos casos.

Os dados partilhados na tarde de hoje, na habitual conferência de imprensa de actualização de informação sobre a pandemia provocada novo Coronavírus, indicam que nas últimas 24 horas foram testadas 84 amostras, sendo 31 da cidade de Maputo, 52 da província de Maputo e um proveniente de Gaza.

O director nacional de Inquéritos e Observação de Saúde no Instituto Nacional de Saúde, Sérgio Chicumbe, explicou que nas ultimas 24 horas não foram analisadas amostras provenientes de Cabo Delgado, uma vez que só chegaram ao laboratório no início da tarde de hoje.

“Recebemos no princípio desta tarde 80 amostras provenientes de Cabo Delgado”, revelou, indicando que a equipa de alto nível que viajou a Afungi já está a trabalhar na testagem massiva e descontaminação da área.

Em termos cumulativos, o laboratório de referência do país, baseado no Instituto Nacional de Saúde (INS), testou 1772 amostras desde o início da pandemia, das 84 nas últimas 24 horas, sendo que todos revelaram-se negativos para a COVID-19.

Segundo a directora Nacional de Saúde Pública, Rosa Marlene, com estes resultados, o país mantém os 76 casos positivos já notificados, dos quais nove já se encontram totalmente recuperados.

A responsável de Saúde Pública referiu que o país tem um total cumulativo de 11.500 pessoas submetidas a quarentena, das quais 831 ainda se encontram em seguimento.

Na ocasião, Rosa Marlene, recomendou o redobrar os cuidados específicos quando a pessoa chega a casa, provenientes do trabalho ou de qualquer local, de modo a evitar levar o vírus que provoca a Covid-19 para dentro de casa.

“Ao chegar a casa, proveniente do trabalho ou outro local, é preciso evitar tocar paredes e móveis antes de lavar as mãos com sabão, cinza ou gel desinfectante. Também é preciso descalçar antes de entrar na casa para evitar levar o vírus para dentro”, explicou a responsável, vincando porém a necessidade do redobrar das medidas prevenção, nomeadamente a higiene pessoal e distanciamento social.