Moçambique ultrapassa a barreira dos 500 casos

Moçambique registou hoje mais 20 casos de infecção pelo novo Coronavírus, passando desta forma a ter um cumulativo de 509 casos positivos confirmados em laboratório, dos quais 459 são de transmissão local e 50 importados.

Segundo explicou o director-geral do Instituto Nacional de Saúde (INS), Ilesh Jani, falando esta Sexta-feira, 12 de Junho, em Conferência de Imprensa de actualização de dados sobre a Covid-19, os 20 casos positivos reportados fazem parte de um lote de 884 amostras testadas nas últimas 24 horas, das quais 864 revelaram-se negativas.

No mesmo contexto, o dirigente esclareceu igualmente que as amostras das últimas 24 horas resultam da actividade de vigilância activa de suspeitas e rastreio de sintomas nas Unidades Sanitárias, para além do seguimento de contactos de casos positivos.

Dos 20 doentes, 18 são de nacionalidade moçambicana e dois estrangeiros (Reino Unido e Malawi), sendo que por apresentarem sintomatologia leve, todos encontram-se em isolamento domiciliar.

Neste momento estão em curso actividades de rastreamento dos seus contactos, esclareceu Jani.

O responsável indicou ainda que o país conta com mais um paciente recuperado da doença, perfazendo um total de 145 pessoas livres do vírus.

Por outro lado, respondendo às questões dos jornalistas, disse haver necessidade da sociedade encontrar uma nova forma de se organizar, de modo a voltar a normalidade, perante a pandemia, privilegiando as medidas de higiene, o distanciamento físico e outras medidas dentro dos vários sectores de actividade, como económico, educação e outros.

“É preciso encontrar um equilíbrio entre controlo da epidemia e a reabertura da economia do país, tal como alguns países têm feito”, explicou, salientando que a reabertura ou relaxamento das medidas naturalmente vai provocar o aumento do número de casos.

Disse também haver necessidade de reforçar as medidas de higiene e distanciamento ao nível dos mercados, transformando-os em lugares que não sejam pólos de infecção e alta propagação da doença.  

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *