Pesquisadora do INS ganha prémio da UNESCO para Mulheres Cientistas

A Bióloga e Pesquisadora do Instituto Nacional de Saúde (INS), Raquel Matavele Chissumba, venceu o prémio Early Career Fellowship, no âmbito da iniciativa da Organization for Women in Science for the Developing World (OWSD) – um programa de bolsas da UNESCO que apoia mulheres  cientistas em início de carreira de pesquisa, para liderar projectos de investigação científica importantes nos países em vias de desenvolvimento.

A pesquisadora concorreu ao prémio de 50 000 USD com o projecto de investigação de potenciais tratamentos para COVID-19 em populações residentes nas zonas tropicais de África, por via da avaliação do potencial de algumas plantas nativas para controlar a resposta inflamatória exacerbada que ocorre em casos graves da infecção provocada pelo novo Coronavírus.

A investigadora faz parte do grupo de 15 mulheres investigadoras do continente africano e da região da Ásia-Pacífico que foram laureadas. Para o prémio em alusão candidataram-se investigadoras de cerca de 60 países de todos os continentes.

Raquel Matavele Chissumba é funcionária do INS, onde coordena o Programa de Doenças Endémicas de Grande Impacto Sanitário.

É licenciada em Ciências Biológicas pela Universidade Eduardo Mondlane, Mestre em Biologia Celular e Molecular pela Fundação Instituto Oswaldo Cruz, no Brasil, e Doutorada em Ciências Biomédicas pela Universidade de Antuérpia, na Bélgica.

One thought on “Pesquisadora do INS ganha prémio da UNESCO para Mulheres Cientistas

  1. Sem dúvida, temos gente com mente grande aqui no nosso páis. A Dra. Raquel é um exemplo disso. Imagino o esforço e empenho dela nesta causa. Ela sim, está ajudando a humanidade. Um exemplo por seguir. Merece nossa honra. Ela tem o meu respeito. Força Dra Raquel e todos que a epoiam.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *